recadosdoaarao



Igreja
Voltar




31/03/2024
PADRE VALENTE FALA
Padre africano: ‘Papa Francisco é um novo Judas’ por trair os ensinamentos de Cristo “Francisco está desempenhando o papel de Judas ao sacrificar as verdades tradicionais que a Igreja recebeu de Jesus”, escreve o Padre Jesusmary Missigbètò.


Nota: Este artigo foi traduzido automaticamente para do espanhol. (LifeSiteNews) –

A seguir está uma carta aberta do Padre Jesusmary Missigbètò. Seus escritos anteriores podem ser vistos aqui. CARTA ABERTA 'MARIA SUPPLICANS sobre a verdade sobre o Papa Francisco e os seus erros morais e doutrinários Parte 5; 24 de março de 2024; Domingo de Ramos

Queridos fiéis católicos de todo o mundo Hoje a Igreja entra no tempo especial da Semana Santa. No final deste tempo, irromperá a vitória do Cristo ressuscitado sobre a morte, a vitória da Luz sobre as trevas e a vitória da Verdade sobre o erro e a mentira. Mas antes disso, vale a pena considerar a Semana Santa como a semana da traição, porque mostra como Judas, um dos Doze Apóstolos, traiu e vendeu Jesus, seu Mestre.

É triste escrever as seguintes linhas porque estabelecem um paralelo entre a ação de Judas Iscariotes em relação a Jesus e a do Papa Francisco em relação à Verdade (Jesus). Infelizmente, os factos são objectivos e mostram como Francisco está a desempenhar o papel de Judas, sacrificando as verdades tradicionais que a Igreja recebeu de Jesus, e como ele também está a desempenhar o papel de Martinho Lutero e do diabo.

1. O Papa Francisco é um novo Judas No dia 29 de agosto de 2008, Nossa Senhora de Anguera disse: “Aquele que poderia ter sido Pedro se tornará Judas. Ele abrirá as portas aos inimigos e fará sofrer homens e mulheres de fé” (3.046). Refere-se claramente a um Papa que trairá a Igreja, instalando pessoas contrárias à sua doutrina tradicional. Além disso, este Papa maltratará os fiéis da Igreja que desejam preservar a fé cristã tradicional. Não podemos ver isso hoje com o Papa Francisco?

Nos novos estatutos da Pontifícia Academia para a Vida, que publicou em 18 de outubro de 2016, eliminou a declaração pela qual os membros se comprometiam a defender a vida de acordo com o ensinamento da Igreja. Depois de demitir pessoas consideradas "tradicionalistas" da Pontifícia Academia para a Vida (2017) e do Pontifício Instituto João Paulo II para Estudos sobre Matrimônio e Família (2019), nomeou pessoas que rejeitam o ensinamento da Igreja[1]: Arcebispo Vincenzo Paglia (homossexualidade, eutanásia, fertilização in vitro); Maurizio Chiodi (homossexualidade, contracepção, fertilização in vitro); Philippe Bordeyne, Marie-Jo Thiel (homossexualidade, contracepção); Alain Thomasset (homossexualidade); Nigel Biggar, Roberto Dell'Oro, Fishel Fernando Szlajen, Avraham Steinberg, Mariana Mazzucato (aborto); Gilfredo Marengo, Miguel Yáñez (contracepção); Katarina Le Blanc (fertilização in vitro); etc. LEIA: Papa Francisco destrói academia pró-vida do Vaticano com membros escolhidos por São João Paulo II Por outro lado, Francisco também nomeou e criou vários bispos e cardeais heréticos (Cardeal Jean-Claude Hollerich, SJ; Cardeal Robert McElroy; Cardeal Víctor Manuel Fernández; Bispo John Stowe; etc.) e tem se acomodado a outros (Cardeal Francesco Coccopalmerio, vários bispos alemães, etc.) que cometeram ofensas graves.

Assim, rejeitou os cânones 276§1 [2], 351§1 [3] e 378§1 [4], que insistem na importância de escolher e nomear pessoas que sejam exemplares nas virtudes humanas e sobrenaturais, ou seja, modelos de santidade, piedade, zelo apostólico e fidelidade à doutrina cristã. Na realidade, este costume eclesial não é um capricho pontifício, mas obedece a um claro desejo de Jesus Cristo, Fundador da Igreja, que quis que o santo tesouro de graças que confiou à sua Igreja, nos Sacramentos, fosse administrado por santos administradores ou, pelo menos, que desejavam ser santos e se esforçavam para adquirir a santidade [5]. Jesus Cristo recordou este desejo a Santa Catarina de Sena, que o escreveu ao núncio apostólico Gérard du Puy, parente do Papa Gregório, insistir mais que na virtude e na boa e santa reputação das pessoas... a virtude é a única coisa que torna o homem nobre e agradável a Deus” [6].

2. O Papa Francisco é um novo Martinho Lutero

2. O Papa Francisco é um novo Martinho Lutero Antes de mais nada, vale destacar um fato surpreendente: a grande simpatia do Papa Francisco por Martinho Lutero (1483-1546). Incrível, mas verdadeiro: em duas ocasiões, Francisco recebeu e honrou com alegria a estátua de Lutero no Vaticano (13 de outubro de 2016 e 25 de outubro de 2021). Por que é surpreendente? Porque Lutero foi oficialmente reconhecido como herege pela Igreja[7] e morreu sem retificação.

É normal que um Papa homenageie uma pessoa que contradisse pública e abertamente a doutrina da Igreja e não mudou de atitude até à sua morte? Se nos lembrarmos do ditado que “pássaros da mesma pena voam juntos”, entenderemos melhor a situação. LEIA: Vaticano anuncia selo de Martinho Lutero no 500º aniversário da Reforma Na verdade, a proximidade de Francisco com Lutero não é apenas de simpatia, mas também de facto, pois segue o mesmo caminho de Lutero ao contradizer o ensinamento da Igreja.

A diferença entre Francisco e Lutero é que a contradição de Francisco é sutil e passa despercebida por muitos cristãos fiéis. Na realidade, esconde-se atrás de uma pregação de misericórdia que evita discretamente a necessidade de conversão, recorrendo ao relativismo e à ética situacional. Tal como o herege Martinho Lutero, Francisco está a criar vários cismas na Igreja: cismas internos (nos corações dos cristãos que se separam internamente do ensinamento tradicional da Igreja Católica) e cismas externos (através dos cristãos que abandonam a Igreja Católica quando vêem a moral e erros doutrinários que Francisco faz ensinar aos pastores da Igreja).

A promoção do erro é, portanto, uma poderosa causa de cisma, porque o erro divide enquanto a verdade une. Tal como o herege Martinho Lutero, Francisco está a criar vários cismas na Igreja. Duas atitudes do Papa Francisco reforçam estas cismas: a sua obstinação no erro e a sua injustiça para com os “tradicionalistas”. Estas duas atitudes permitem que os erros morais e doutrinários de Francisco se espalhem por muito tempo e acabem com a resistência daqueles que se opõem aos seus erros.

É, portanto, uma ditadura em tudo, menos no nome. Lutero foi obstinado em seus erros, Francisco também. O facto de, desde 2016, Francisco se ter recusado a corrigir os seus erros e o facto de estes erros serem ensinados em seminários de todo o mundo não é bom para a Igreja, porque os cristãos que foram enganados a aceitar estes erros irão assimilá-los mais profundamente e isso irá será mais difícil para eles se separarem deles. Estes erros moldarão os seus pensamentos e ações e os afastarão gradualmente do cumprimento perfeito da vontade de Deus e, mais tarde, da Igreja. O impacto a curto, médio e longo prazo é, portanto, necessariamente negativo.

Vejamos um exemplo: Amoris laetitia. No dia 19 de março de 2016, o Papa Francisco falou dos divorciados e “recasados” nestes termos: “nessas situações, muitas pessoas, conhecendo e aceitando a possibilidade de viver ‘como irmãos e irmãs’ que a Igreja lhes oferece, salientam que, se faltam certas expressões de intimidade, “acontece muitas vezes que a fidelidade fica comprometida e o bem-estar dos filhos é prejudicado”[8].

O que temos aqui senão um Papa que desculpa os pecados de adultério e fornicação com base na “fidelidade” e no “bem dos filhos”? Esta é uma ética situacional, pois Francisco propõe justificar o pecado colocando arbitrariamente elementos secundários acima do bem maior, que é a virtude da castidade, objeto do Sexto e Nono Mandamentos dados pelo Senhor. LEIA: Papa Francisco defende uniões civis homossexuais para pessoas ‘que vivem o dom do amor’ Lutero não gostava de tradição, nem Francisco. Daí a injustiça do Papa argentino com os “tradicionalistas”. Na esfera litúrgica, esta injustiça é marcada pelo desejo de Francisco de acabar com a Missa tradicional em favor da Missa moderna, através do seu motu propio Traditionis custodes (16 de julho de 2021). Por que isso é uma injustiça?

A razão é simples: nenhum Apóstolo recebeu de Jesus a Missa moderna exatamente como é celebrada hoje. Com efeito, os Doze Apóstolos receberam de Jesus o núcleo principal constituído pela oração eucarística de consagração, pela qual o pão e o vinho se transformam no Corpo e Sangue de Jesus, juntamente com a preparação constituída pela escuta e explicação da Palavra de Jesus. Deus. Espalhados por todo o Império Romano, estes Apóstolos criaram uma bela e magnífica variedade de tradições litúrgicas orientais e ocidentais. Se várias tradições litúrgicas coexistem pacificamente no Oriente, isto também é possível no Ocidente.

Foi esta magnífica paz litúrgica entre o rito pré-Vaticano II e o rito pós-Vaticano II que o Papa Bento XVI conseguiu com o seu motu propi com seu próprio motu Summorum Pontificum (7 de julho de 2007). No nível moral e doutrinário, a injustiça do Papa Francisco afeta aqueles que se opõem publicamente às suas inovações (Cardeal Raymond Leo Burke; Bispo Joseph Strickland; Padre Tullio Rotondo; John Rist; Josef Seifert; os três eremitas escoceses: Stephen by Kerdrel, Colette Roberts e Damon Kelly; etc.).

Mas, ao mesmo tempo, concede impunidade àqueles que contradizem publicamente o ensinamento tradicional da Igreja (Cardeal Walter Kasper; Cardeal Coccopalmerio; Cardeal Christoph Schönborn; Cardeal Peter Turkson; Padre James Martin, S.J.; etc.). Por exemplo, em junho de 2017, segundo várias fontes confiáveis, a polícia prendeu Coccopalmerio em flagrante por participar de uma festa homossexual (com uso de drogas) organizada num apartamento do Vaticano. Este cardeal continuou amigo do Papa Francisco e não recebeu quaisquer sanções.

No entanto, em 20 de novembro de 2023, segundo várias fontes confiáveis, o Papa Francisco disse: “O Cardeal Burke é meu inimigo, por isso estou tirando meu apartamento e meu salário”. A inimizade deve-se ao facto de o Cardeal Burke ter criticado publicamente os erros morais e doutrinários de Francisco em numerosas ocasiões.

LEIA: Padre do Papa Francisco: “Ele está prejudicando minha paróquia” ao promover a homossexualidade...

3. O Papa Francisco é um novo demônio Não há dúvida de que a frase anterior é chocante, mas devemos deixar as emoções de lado e analisar cientificamente os erros de Francisco para compreender que esta frase é perfeitamente justificada. Antes desta análise, ouçamos duas mensagens da Virgem de Anguera que sem dúvida petrificarão quem não as conhece: “A humanidade se surpreenderá com a apresentação de um homem que parece bom, e seduzirá muitos com seus enganos , já que suas ações provêm do maligno. Muitos verão nele um salvador e ele conseguirá reunir um grande número de pessoas ao seu redor" (2.822, 10 de abril de 2007); "Rezai pela Igreja.

Muitos consagrados serão contaminados. Negarão os dogmas e se afastarão da verdade. Surgirá um homem, aparentemente cheio de virtudes, mas na verdade será um enviado do diabo. Ele enganará muitos com sua doutrina, mas encontrará uma grande barreira na força e na fidelidade de meus devotos e escolhidos" (3.202, 18 de agosto de 2009). Para entender melhor porque alguns analistas aplicam estas duas mensagens ao Papa Francisco, é necessário ter lido as outras mensagens apresentadas na semana passada na quarta parte desta carta aberta, porque todas estas mensagens formam uma unidade.

Será possível que tenha sido o próprio Satanás, “mentiroso e pai da mentira” [9], que inspirou Francisco a cometer os seus erros morais e doutrinários que ameaçam a família e o casamento? Não é impossível, porque recordemos as palavras da Irmã Lúcia de Fátima ao Cardeal Carlo Caffarra: “a batalha final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre a família e sobre o casamento” [10]. Se o que foi dito acima é apenas uma hipótese, o que se segue é absolutamente verdadeiro: Francisco está actualmente a desempenhar o papel do diabo com os seus erros que atacam o matrimónio, a família e os Sacramentos.

Com efeito, como dizia Santa Catarina de Sena, «o diabo esforça-se por nos separar da verdade» [11]. Isto é o que ele fez com Adão e Eva no Éden: afastá-los do cumprimento da vontade de Deus. Isto é também o que o Papa Francisco está a fazer com os cristãos desde 2016, ao promover os seus erros morais e doutrinários.

LEIA: Renomado filósofo católico adverte que o Papa Francisco está “destruindo os fundamentos da fé e da moralidade”.

Não é diabólico contradizer Deus [12], dizendo aos cristãos que “o compromisso de viver na continência [castidade]” é uma “opção” (5 de setembro de 2016), diminuindo assim a força do Sexto e do Nono Mandamentos?

Não é diabólico contradizer Deus[13], dizendo aos cristãos que uma mulher fértil que tenha relações sexuais pode ser submetida a uma histerectomia (remoção do útero) quando a condição do útero não representa qualquer perigo presente ou futuro para a sua saúde e quando um grupo de médicos especialistas certifica que todos os seus filhos morrerão antes de nascer (10 de dezembro de 2018), promovendo assim a primeira medida antinatalista da Igreja Católica?

Não é diabólico contradizer Deus[14], dizendo aos cristãos que «não se nasce santo, torna-se santo, e isto também se aplica» a “Nossa Senhora” (21 de dezembro de 2018), rejeitando assim a santidade original do Santo. Bem-aventurada Virgem Maria?

Não é diabólico contradizer Deus[15], dizendo à humanidade que “o pluralismo e a diversidade das religiões... são uma sábia vontade divina” (4 de fevereiro de 2019), atribuindo assim a existência de Deus à vontade positiva de Deus. de religiões que praticam o mal ou o pecado, como a idolatria, o sacrifício humano e a prostituição?

 Não é diabólico contradizer Deus [16], dizendo à humanidade que “o que deve ser feito é uma lei de convivência civil” para as relações homossexuais (21 de outubro de 2020), opondo-se assim a São João Paulo II e ao Papa Bento XVI que ensinou que todos os cristãos devem mostrar a sua “absoluta oposição pessoal” a este tipo de leis, caso contrário estarão cometendo um ato “gravemente imoral” [17]?

Não é diabólico contradizer Deus [18], dizendo aos cristãos que todos os políticos católicos publicamente favoráveis ​​ao aborto podem receber a Sagrada Eucaristia sem a necessidade de rejeitarem o seu compromisso com o aborto (15 de setembro de 2021), opondo-se assim à tradição cristã e ao Código de Direito Canônico, que claramente proíbe tal prática [19]?

Não é diabólico contradizer Deus [20] pedindo aos sacerdotes que realizem “bênçãos para casais em situação irregular e para casais do mesmo sexo” (18 de dezembro de 2023), profanando assim a bênção cristã através da invocação do Santo Nome de Deus sobre “casais” cuja base é o adultério, a fornicação ou a sodomia?

Finalmente, a notória recusa de rectificação por parte do Papa Francisco obriga-nos a recordar as seguintes palavras dos santos: Santo Agostinho de Hipona: "humanum Fuit errare, diabolicum est per animositatem in errore manere"[21] (era humano pecar, errar é humano é diabólico permanecer no erro por animosidade); São Beda, o Venerável: humanum est peccare, diabolicum vero est perseverare" [22] (é humano pecar, mas diabólico perseverar no pecado); São Pedro Damião: "peccare quippe humanum est, peccatum vero defendere diabolicum est" [23 ] (é evidentemente humano pecar, mas defender o pecado é verdadeiramente diabólico);

São Bernardo de Claraval: "peccare quippe humanum est, peccatum vero defender diabolicum est" [24] (é evidentemente humano pecar, mas defender o pecado é verdadeiramente diabólico); São Bernardo de Claraval: "peccare quippe humanum est, peccatum vero defendere diabolicum est" [25] (é evidentemente humano pecar, mas defender o pecado é diabólico). Bernardo de Claraval: "non humanum tamen, sed diabolicum est in malo perseverare" [25] 24] (no entanto, não é humano, mas diabólico, perseverar no mal); Santa Catarina de Sena: "pecar é uma coisa humana, mas perseverar no pecado é uma coisa do diabo" [25]. Agora não há dúvida de que as afirmações ousadas acima são realmente verdadeiras: o Papa Francisco atualmente desempenha o mesmo papel que Judas, Martinho Lutero e o diabo. Na próxima semana veremos, na última parte desta longa carta quaresmal, as razões pelas quais Francisco é provavelmente membro da Maçonaria eclesiástica ou é influenciado por eclesiásticos que o são.

Seu irmão africano, P. Janvier Gbénou Nome artístico: P. Jesusmary Missigbètò; paijmm@gmail.com Facebook, YouTube, Twitter, Verdade, Threads, Instagram, TikTok, SoundCloud: @fatherjesusmary

 


Artigo Visto: 373

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 4.200.859
Visitas Únicas Hoje: 133
Usuários Online: 62