recadosdoaarao



Igreja
Voltar




21/12/2023
Fiducia Supplicans
O Sacerdote na terra representa Cristo e quando abençoa o faz em nome da Santíssima Trindade! Ora é de fato diabólica a autorização de desse antipapa para que sacerdotes abençoem pares homossexuais o que Deus condena também a Igreja. O Bispo que autorizar isso em sua Diocese fica automaticamente excomungado da Igreja, também o sacerdote, por abençoar o pecado, até porque infringe um Mandamento da Lei de Deus: Não tomar Seu Santo Nome em vão! Deus não os deixará impunes. Isso prova que Franciscus não é papa e sim a segunda besta do Apocalipse.


De Mattei: "Até Quando, Francisco, Você Abusará de Nossa Paciência?"

 

Hoje, o filósofo Roberto de Mattei fez uma análise histórica do Fiducia Supplicans de Francisco, e perguntou até quando ele abusará da paciência dos fiéis. De Mattei mostra que o documento de Francisco é herético até contra ele mesmo,  pois em 2021 já tinha condenado as bênçãos a homossexuais.

Traduzo abaixo:

Roberto de Mattei: “Quo usque tandem?”  Por quanto tempo, Francisco, você abusará da nossa paciência?  - O Dicastério para a Fé abençoa o pecado contra a natureza

Roberto de Mattei

20 de dezembro de 2023​

Declaração Fiducia Suplicans sobre o significado pastoral das bênçãos, emitida em 18 de dezembro de 2023 pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, marca um dos pontos mais baixos do pontificado do Papa Francisco.  Com efeito, este documento, contrariando a doutrina da Igreja, aprova e de facto promove a “bênção” dos “casais” que vivem numa situação intrinsecamente imoral, com especial atenção para os casais homossexuais.

Para compreender as origens do que aconteceu, é preciso remontar ao início da década de 1970, quando, na onda da Revolução de 1968, mas também da "nova moralidade" pós-conciliar, começaram a se espalhar formas de "abertura" às relações homossexuais  na Igreja.  Segundo a doutrina tradicional, o ato sexual é em si, por sua própria natureza, ordenado à procriação e só é bom se ocorrer no âmbito do casamento, sem ser desviado da sua finalidade.  Pelo contrário, para os novos teólogos, o ato sexual é sempre bom porque constitui o momento mais íntimo e intenso do amor humano, independentemente de estar ou não ordenado à procriação, de se realizar ou não no casamento, de se realizar ou não no casamento,  envolve homens e mulheres de sexo diferente ou do mesmo sexo.

Contra esses erros, a Congregação para a Doutrina da Fé publicou em 29 de dezembro de 1975, a declaração Persona humana, assinada pelo Prefeito, Cardeal Seper, que afirmava, entre outras coisas: "De acordo com a ordem moral objetiva, as relações homossexuais  são atos desprovidos de sua regra essencial e indispensável. São condenados na Sagrada Escritura como grave depravação e apresentados, na verdade, como a consequência nefasta de uma rejeição de Deus. Este julgamento da Escritura não permite concluir que todos aqueles que sofrem com essa  anomalia, são pessoalmente responsáveis ​​por isso, mas atesta que os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados e que, sob nenhuma circunstância, podem receber qualquer aprovação."

O Catecismo da Igreja Católica, publicado em 1992, por sua vez afirmava no nº 2.357: “Apoiando-se na Sagrada Escritura, que apresenta as relações homossexuais como grave depravação, a Tradição sempre declarou que 'os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados da  lei natural. Impedem que o ato sexual seja dom da vida. Não são fruto de uma verdadeira complementaridade afetiva e sexual. Em nenhum caso podem ser aprovados.'"

Do pseudo “casamento homossexual”, as pessoas começaram a falar apenas a partir da década de 1990, especialmente depois que o Parlamento Europeu, na sua resolução de 8 de fevereiro de 1994, apelou aos estados membros da União “para abrirem aos casais homossexuais todas as instituições legais  disponível para os heterossexuais."  No Angelus de 20 de fevereiro de 1994, João Paulo II condenou explicitamente a resolução europeia, afirmando que “não é moralmente permissível dar aprovação legal à prática homossexual.  afastar-se desta tendência, não equivale, de fato, a menosprezar as exigências da norma moral (cf. João Paulo II, Veritatis Splendor, 95)" (Angelus de 20 de fevereiro de 1994).

Esta posição manteve-se praticamente inalterada, mas, especialmente desde a abertura do Sínodo dos bispos alemães em 2020, os apelos à “bênção” dos “casais” do mesmo sexo começaram a espalhar-se.  Em 15 de março de 2021, a então Congregação (agora Dicastério) para a Doutrina da Fé, chefiada pelo Cardeal Luis F. Ladaria, publicou um Responsum no qual respondia à questão de saber se a Igreja tem o poder de conceder bênçãos às pessoas do mesmo sexo.  sindicatos.  O Dicastério do Vaticano respondeu negativamente, explicando que, sendo as bênçãos sacramentais, elas exigem que “o que é abençoado seja objetiva e positivamente ordenado a receber e expressar a graça, em função dos desígnios de Deus inscritos na Criação e plenamente revelados por Cristo Senhor.  , apenas aquelas realidades que em si são ordenadas a servir esses desígnios são compatíveis com a essência da bênção concedida pela Igreja”.

Desde o início, a Igreja, ecoando a maldição das Escrituras (Gênesis 18:20; 19:12-13, 24-28; Lev. 12:22, 29; Is. 3:9; 1 Tim. 1, 9-  10; 1 Cor. 6, 9-10) condenou o pecado contra a natureza pela boca dos Padres e Doutores da Igreja, dos santos, dos Papas, dos Concílios e do Direito Canônico.  A declaração Fiducia supplicans do Dicastério da Doutrina da Fé distorce este Magistério.  

O documento abre com uma introdução do Prefeito Fernández, que explica que a declaração pretende “oferecer uma contribuição específica e inovadora ao significado pastoral das bênçãos” permitindo “ampliar e enriquecer a sua compreensão clássica” através de uma reflexão teológica “baseada na pastoral  visão do Papa Francisco."  As referências no texto que se segue são sempre e apenas ao ensinamento do Papa Francisco, ignorando todos os pronunciamentos anteriores da Santa Sé, como se o ensinamento da Igreja começasse ex novo com ele.

Após os primeiros parágrafos (1-3), a declaração declara “ritos e orações inadmissíveis que possam criar confusão entre o que é constitutivo do casamento” e “o que o contradiz”, para evitar reconhecer de qualquer forma “como casamento algo que não o é”.  A doutrina da Igreja sobre este ponto permanece firme” (n. 4-6).  Mas é precisamente neste esclarecimento que reside o engano e a hipocrisia do documento, assinado pelo Cardeal Victor Manuel Fernández, e referendado ex audientia, pelo Papa Francisco.

primeiro ponto enganoso é afirmar que as relações entre pessoas do mesmo sexo não são equiparadas ao casamento cristão, evitando ao mesmo tempo chamá-las de atos intrinsecamente desordenados;  o segundo ponto é a insistência na distinção entre bênçãos litúrgicas e extralitúrgicas, como se uma bênção extralitúrgica, feita por um sacerdote, pudesse tornar lícito o que é ilícito abençoar.  No segundo capítulo do documento (n. 7-30) afirma-se que quando com um rito litúrgico especial “se invoca uma bênção sobre certas relações humanas”, é necessário que “o que é abençoado possa corresponder aos desígnios de Deus”.  inscrito na Criação" (11), mas se alguém se move "fora de um quadro litúrgico", o pedido de bênção deve ser acolhido e valorizado, porque se está "numa esfera de maior espontaneidade e liberdade" (n. 23).  Mais uma vez se dá a entender que estas “relações humanas” não estão em contradição com a lei natural e divina.

O terceiro capítulo da declaração (nºs 31-41) admite assim a “possibilidade de bênção de casais em situação irregular e de casais do mesmo sexo” (nº 31).  As garantias puramente retóricas de que “nenhum ritual deve ser promovido ou previsto para a bênção de casais em situação irregular” (n. 38) e que “esta bênção nunca será realizada ao mesmo tempo que os ritos civis de união ou mesmo  em conexão com eles" (nº 39), continuam a contornar com ambiguidade deliberada o ponto básico da imoralidade intrínseca das relações entre pessoas do mesmo sexo.  

Ressalte-se que o documento autoriza a bênção não de um crente individual, que deseja libertar-se de uma situação irregular, mas de um “casal”, que na condição de pecado vive permanentemente, sem qualquer intenção de se livrar de  isto.  Casal, aliás, que tal não pode ser definido, pois não é a união natural de um homem e uma mulher.  Este relacionamento pecaminoso é objetivamente abençoado.

Muito escândalo foi causado pela frase do Papa Francisco “Quem sou eu para julgar” um homem gay?  proferida em 29 de julho de 2013, no voo de volta do Rio de Janeiro para Roma.  Essa frase, embora represente uma mensagem clara da mídia, poderia ser minimizada como uma infeliz boutade improvisada.  A Declaração Fiducia Supplicans é enormemente mais grave, porque é uma "declaração" oficial, cuja relevância o portal de informação da Santa Sé, Vatican News, fundamenta, escrevendo que "fazia desde agosto, há 23 anos, que o antigo Santo Ofício não publicava  uma declaração (a última foi em 2000 Dominus Jesus), um documento de alto valor doutrinário”.

Caberá aos teólogos e canonistas oferecer uma avaliação precisa deste ato do Dicastério para a Doutrina da Fé.  Por enquanto, o simples sensus fidei nos faz afirmar que não é possível endossar de forma alguma, muito menos com uma “bênção”, uma relação viciosa e imoral.  O padre que concedesse tais bênçãos, ou um bispo que as apoiasse, estaria cometendo um grave pecado público.  E dói-me dizer que um pecado gravíssimo foi cometido por aqueles que promulgaram e assinaram esta declaração escandalosa. http://thyselfolord.blogspot.com/

 


Artigo Visto: 1113

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 4.223.703
Visitas Únicas Hoje: 293
Usuários Online: 36