recadosdoaarao



Autores
Voltar




29/04/2022
O cisma é evidente
Qualquer católico minimamente esclarecido percebe que hoje existem duas igrejas: Uma a verdadeira Igreja de Jesus e de Bento XVI, outra falsa e herética, aquela liderada por Mário argentino o usurpador e seu grupo de conspiradores. Eis o problema chave: a falsa virou verdadeira, porque a Verdadeira calou-se e capitulou.


O cisma na Igreja existe, mas não pode mais ser reconhecido

A fronteira entre cisma e não cisma tornou-se mais imprecisa após o acordo com Pequim.

O cisma na Igreja existe, mas não pode mais ser reconhecido

29-04-2022

Com as teses do Sínodo alemão voltamos a falar do cisma na Igreja, mas nos últimos anos o Magistério e a teologia fizeram com que desaparecesse a fronteira entre o que é verdadeiro e imutável e o que não é aceitável. O acordo Vaticano-China, a mudança no Catecismo sobre a pena de morte, a abolição do "mal intrínseco" em Amoris Laetitia, são três passagens decisivas que minam as verdades sobre as quais a Igreja se funda.

 

por Stefano Fontana

 

Desde o início do Caminho Sinodal Alemão, a palavra "cisma", como um espectro obceno, continua a pairar na Igreja. Os bispos poloneses sinalizaram o perigo para seus irmãos alemães. Setenta bispos de várias partes do mundo escreveram-lhes uma carta aberta, advertindo-os. Vários cardeais, incluindo moderados como Koch, sinalizaram o precipício para o qual estamos caminhando. Mas nem o cardeal Marx nem o presidente dos bispos da Alemanha Bätzing dão sinais de querer aceitar os apelos à prudência. O primeiro afirmou que o Catecismo não está escrito em pedra, o segundo acusou os bispos preocupados de querer esconder os abusos que o sínodo germânico gostaria de abordar e resolver (à sua maneira).

 

Diante desse quadro de desintegração, pode-se perguntar se o cisma pode ser evitado ou não. A questão central, a esse respeito, parece ser a seguinte: a Igreja oficial de hoje ainda possui as noções teológicas que permitem enfrentar o nó disruptivo, ou perdeu as categorias capazes de enquadrar o problema e mostrar a solução ? Mais precisamente: o perigo do cisma ainda é percebido pela teologia da Igreja oficial hoje como um perigo muito sério? O que é um cisma há partilha? Por que deve ser evitado, quem deve intervir quando o perigo estava à porta e como, existe hoje uma visão comum?

 

O que preocupa a muitos não é tanto o perigo de cisma , mas a percepção de que a estrutura teológica e eclesial para enfrentar o problema está desgastada e agora tem contornos muito imprecisos. O que é um prelúdio para a quietude e deixando os eventos prosseguirem por conta própria.

 

Quando o Cardeal Marx argumenta, em relação à prática homossexual, que o Catecismo não está escrito em pedra e pode ser criticado e reescrito, ele está apenas expressando em linguagem jornalística o que os teólogos vêm dizendo há décadas. Ou seja, o depósito da fé (e da moral) está sujeito a um processo histórico, pois a situação a partir da qual é interpretado torna-se parte integrante de seu conhecimento e formulação.

 

A partir desse critério, que podemos definir em sentido amplo como "hermenêutico", e segundo o qual a transmissão dos conteúdos da fé e da moral nunca ultrapassa o estado de uma "interpretação", a categoria teológica do cisma perde consistência, até que desaparece. O que hoje consideramos cisma (e também heresia), amanhã pode se tornar doutrina.

 

No plano da Igreja universal, houve recentemente três fatos muito interessantes deste ponto de vista. O primeiro foi o acordo entre o Vaticano e a China comunista. O acordo é secreto, mas pode-se dizer que neste caso uma igreja cismática foi assumida na Igreja Católica Romana e na Igreja Romana. A fronteira entre cisma e não cisma tornou-se mais imprecisa após o acordo com Pequim.

A segunda foi a mudança da letra do Catecismo sobre a pena de morte. Essa mudança difundiu a ideia de que o Catecismo não foi escrito em pedra, como diz o Cardeal de Munique.

 

A principal razão para justificar a mudança foi o reconhecimento de que a sensibilidade pública sobre esse ponto moral havia mudado. A sensibilidade pública, no entanto, é apenas um fato que não diz nada em um nível axiológico ou de valor. Agora, com base nessas suposições, como negar que uma nova sensibilidade sobre as questões da homossexualidade e do sacerdócio feminino também pode ter amadurecido na Igreja alemã? Como chamar tudo isso de "cisma", se é o mesmo fenômeno aprovado em outro lugar?

 

O terceiro exemplo é a abolição da doutrina moral da Igreja sobre "intrinsece mala" realmente contida na Exortação Apostólica Amoris laetitia . É muito difícil, depois deste documento, manter firme o ensinamento anterior sobre a existência de ações intrinsecamente más que nunca devem ser feitas. Mas, quebrando essa noção, ainda será possível confirmar o ensino tradicional das Escrituras e da Igreja sobre a prática homossexual?

 

Parece que a Igreja tem dificuldade em manter-se firme em algumas de suas verdades . Além disso, se o Catecismo não está escrito em pedra, então a definição de "cisma" contida nele também pode ser revisada e o que ontem era considerado um cisma agora pode não ser mais. Aqueles que mantêm firmes as verdades do Catecismo como se fossem escritas em pedra podem até ser acusados ​​de cisma.

 

Negar que o Catecismonão está escrito na pedra pode ser considerado um pronunciamento cismático. Na perda de fronteiras todos os paradoxos se tornam possíveis. O que foi dito também pode ser estendido à heresia e à apostasia, conceitos que hoje também têm limites dúbios. Basta pensar em um fato: a "dúvida teimosa" pode ser considerada apostasia de acordo com o n. 2.089 do Catecismo , ainda hoje os fiéis são ensinados a dúvida sistemática, convidando-os a não se tornarem rígidos na doutrina.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/lo-scisma-nella-chiesa-ce-ma-non-si-puo-piu-riconoscere

++++++++

Impossivel escrever num curto comentário o abismo que há entre uma eu outra igreja. Uma falsa como que enclusurou, apossou-se do legado de Jesus, e o transformou no herético e cismático corolário de Martinho Lutero. O Caminho sinodal alemão é nada mais que isso... Este é também o caminho do inferno! Pobre Alemanha até onde desceste! Não leste a profecia que descreve o teu Reno, coalhado de cadáveres por mais de 30 quilômetros? Quem te mandou afundar neste cisma?

O Cardeal Marx diz que o nosso Catecismo não foi escrito em pedra, e pode ser miudado, mas eu lhe digo: e Escritura é gravada em pedra, e o Levítico condena o homossexualismo, bem como o Novo Testamento. E mais, as paredes do inferno são de pedra e pará lá vão todos aqueles que insistem em mudar e Lei e os Profetas. Cardeais e bispos alemães, holandeses, & Cia... Ai de vós!

Para Mário Bergoglio e sua "amoris laetitia", que afirma a natureza intrínseca do pecado, ou seja, que ao homem é impossível viver sem pecar, que o pecado é parte natural do ser humano, o que negaria a redenção de Cristo, e negaria a liberdade dos filhos, legado do Criador do Universo, ele que leia o quie está escrito em Apocalipse 20, 10...

A todos os que aceitam e pregam a falsa igreja sinodal de Bergoglio eu digo: Uma vez, lá nas brumas do tempo, também a humanidade resolveu adaptar-se aos costumes de sua época e acabou desembocando em Sodoma e Gomorra... As quais hoje ultrapassamos em malginidade! Naquela vez desceu fogo dos Céus e as quemou até as pedras! Desta vez não será diferente. E NÃO DEMORA! Vocês não completarão o seu serviço que é em favor do inferno... (Aarão)

 


Artigo Visto: 1662

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 4.223.690
Visitas Únicas Hoje: 280
Usuários Online: 26